Hoje, um dos meus ídolos faria 100 anos. Nelson Mandela, ou para os mais íntimos, Madiba.

Nossos ídolos revelam muito do que reverbera dentro de nós. Valores, atitudes e características admirados e que, de alguma maneira, revelam os pilares que nos movem.

SEI QUASE NADA SOBRE UBUNTU

Entrei em contato com a palavra Ubuntu em 2006. Assistia ao filme “Em Minha Terra” (In My Country), indicado por minha terapeuta à época, Luiza Lage, pela abordagem de questões na África do Sul, após o fim do regime de segregação racial. Ao ouvi-la pela primeira vez, foi como se sentisse um chamado. “É isso, Ubuntu! É isso que o mundo está precisando!”.

Pedi demissão há 10 anos, deixando o cargo de Diretor de Marketing para América Latina da Johnson & Johnson, para dar início à jornada rumo ao meu propósito. Desde então, aprendi, conquistei, errei, caí e levantei...vivi.

Nasce genuinamente um ecossistema!

Mudamos mais uma vez. Fechamos um ciclo e abrimos outro.

 

Tudo é transitório e está em constante movimento...

 

Hoje, um dos meus ídolos faria 100 anos. Nelson Mandela, ou para os mais íntimos, Madiba.

Nossos ídolos revelam muito do que reverbera dentro de nós. Valores, atitudes e características admirados e que, de alguma maneira, revelam os pilares que nos movem.

Entrei em contato com a palavra Ubuntu em 2006. Assistia ao filme “Em Minha Terra” (In My Country), indicado por minha terapeuta à época, Luiza Lage, pela abordagem de questões na África do Sul, após o fim do regime de segregação racial. Ao ouvi-la pela primeira vez, foi como se sentisse um chamado. “É isso, Ubuntu! É isso que o mundo está precisando!”.

Pedi demissão há 10 anos, deixando o cargo de Diretor de Marketing para América Latina da Johnson & Johnson, para dar início à jornada rumo ao meu propósito. Desde então, aprendi, conquistei, errei, caí e levantei...vivi.

Mudamos mais uma vez. Fechamos um ciclo e abrimos outro.

 

Tudo é transitório e está em constante movimento...