Recomendo assistir às palestras e ler os trabalhos de Guy Kawasaki. De uma maneira muito leve, divertida e dinâmica, Guy Kawasaki, através do livro "The art of the Start", dá sua visão sobre empreendedorismo.

Neste link http://blog.guykawasaki.com/2006/06/the_art_of_the_.html você encontra uma palestra dele com o Top 10 do livro... Recomendo!

Dentro das 10 dicas dele, a primeira é sobre o que deve motivar um empreendedor a montar um negócio. A resposta não passa por ganhar dinheiro, e sim passa por TER UM PROPÓSITO.

Venho desde de 2006 me dedicando a este assunto pessoalmente. Era diretor de uma grande organização, com uma carreira meteórica, mas algo dentro de mim dizia que não era este o caminho que queria seguir. Saber o que não queria para a vida já era um bom começo, mas a grande pergunta era então " o que queria"?

Através de inúmeros trabalhos de auto conhecimento comecei a tentar encontrar meu verdadeiro propósito. Posso dizer hoje que este investimento de tempo, energia e claro, dinheiro, valeu muito a pena. E vai continuar valendo a pena pois é um processo contínuo. Cada movimento que fiz desde 2006 foi já em direção ao meu propósito. E a Ubuntu, acredito verdadeiramente, é o maior exemplo disso.

Quero dedicar a minha vida ao meu propósito. Claro que dúvidas, medos, incertezas em relação ao lado material surgem no meio do caminho, mas minha crença e certamente a de muitos empreendedores por aí é que a partir do momento que você está atrás do seu meaning, o lado material vem como consequência!

E você, tem clareza sobre o seu propósito? Se sim, o que está te impedindo de se mover nesta direção? E mais, como está a conexão do seu propósito com o da sua organização?

Eduardo Seidenthal

Facebook Twitter Linkedin+

Sabedoria!

Cheguei a esta palestra através da Daiane Morais pelo seu blog "meutrabalhoeeu". Sem dúvida uma palestra inspiradora de Barry Schawartz, psicólogo, professor de Teoria Social e de Ação Social na Faculdade Swarthmore, na Pennsylvania. Durante toda a minha carreira, assinei inúmeras políticas... Regras e mais regras que deveria ler, seguir e transmitir às minhas equipes. Confesso que isto sempre me incomodou porque a última coisa que me guiava no dia a dia do trabalho eram as famosas políticas. Interessante ainda que após os escândalos da Enron e o advento da Lei Sarbanes-Oxley, a quantidade de políticas, regras, e procedimentos aumentou exponencialmente nas cias americanas. Aí vem esta crise financeira mundial, e o assunto do momento é como regular ainda mais os organismos financeiros...Mais regras, mais políticas... Será que não vai ter fim? Uma alternativa interessante é um maior equilíbrio entre regras, leis e, o que podemos chamar de SABEDORIA. A partir do momento que nos guiamos por um sentido maior e seguimos princípios universais tais como: respeito, solidariedade, justiça; as decisões do dia a dia passam a ser mais efetivas de serem tomadas do que consultar a "pagina 14, parágrafo 3o. da política vigente da organização". Um exemplo que segue nesta direção é o da Johnson & Johnson, com seu famoso CREDO. Posso afirmar isto com propriedade pois trabalhei durante cinco anos nesta organização e presenciei decisões importantes em que o CREDO foi utilizado em detrimento de ganhos de curto prazo de poucos. Não estou aqui dizendo que a Johnson & Johnson é perfeita e não suscetível a falhas, e que não tem inúmeras políticas e procedimentos, mas definitivamente ela tem um bom guia de como as decisões devem ser tomadas. E sua organização, como está posicionada em relação ao equilíbrio de regras e não regras. Como a questão ética está sendo tratada? Com tudo o que está acontecendo no mundo não seria hora de dar maior ênfase a esta questão? Eduardo Seidenthal
Facebook Twitter Linkedin+
A Carta da Terra Brasil from Carta da Terra Brasil on Vimeo. Faço questão de colocar este video da carta da terra como um dos primeiros posts do Blog da Ubuntu. A historia deste video é por si só interessante. A partir de uma reflexão no auge da crise escrevi este texto e dei para o Valdir Bianchi, da agência EC. Disse a ele que não tinha "um real" para investir mas que gostaria que ele criasse algo em cima do texto (típico pedido de clientes!)... Algumas semanas depois o Valdir volta com uma idéia brilhante: dar o texto às crianças da Casa do Zezinho, entidade social de São Paulo, e pedir a elas que representassem o texto através de desenhos. Com uma parceria ainda com a Naima Almeida, uma produtora de som, e o apoio incondicional de Oscar Motomura da Amana-Key, o filme foi criado literalmente em um novo modelo. Novos modelos são possíveis. Só de pensar que na minha carreira gastei centenas de milhares de reais para produzir filmes! Ao criar a Ubuntu, um foco grande que tenho dado é em como utilizar os princípios da carta da terra na prática dos negócios da empresa. Uma reflexão é, por exemplo, o que representa justiça econômica e social ao considerarmos a definição do pricing da Ubuntu?  Ao construir uma rede de parceiros alinhados com o mesmo propósito, como garantir justiça enconômica para todos os stakeholders? É fato que o planeta, que passa por profunda tranformação, precisa de um novo modelo . Por que não construir novos modelos utilizando um guia, ou melhor um norte, como a carta da terra. E sua organização, como está posicionada em relação a estes princípios? Sugiro fortemente esta reflexão estratégica. Um abraço, Eduardo Seidenthal
Facebook Twitter Linkedin+

E se?

Muito se comentou nas últimas semanas sobre o Google Wave e como nossa experiência na internet pode mudar radicalmente com este lançamento. O que me fascinou nesta apresentação, além da inovação tecnológica, claro,  foi o modelo mental que guiou o processo de criação do Google Wave.

"E se tivessemos que criar o email a partir de agora? E se tivessemos que criar tudo do zero a partir de agora?"

Uma pergunta aparentemente boba, mas que pode gerar todo um raciocínio diferente do simples pensamento incremental.

E se aplicássemos estas mesmas perguntas à nossa carreira profissional? E se fosse começar minha carreira novamente, o que faria?

Se a resposta para esta pergunta é radicalmente diferente do que você está fazendo neste momento, pode ser hora de investir tempo e energia neste assunto!

Abaixo a apresentação do Google Wave... Se você já viu, veja novamente trechos reparando no modelo mental do time do Google Wave, aliás o mesmo time do Google Maps!

https://www.youtube.com/watch?v=v_UyVmITiYQ

Facebook Twitter Linkedin+

É com grande prazer que damos início ao blog da Ubuntu. Para quem ainda não conhece, a Ubuntu é uma empresa de consultoria especializada em despertar, estimular e desenvolver o Ubuntu presente em todas as pessoas, para garantir maior integração, colaboração, rendimento, resultados, e, felicidade.

Ubuntu é uma palavra africana que significa humanidade, relacionamento entre as pessoas, e colaboração.

Neste contexto, o blog da Ubuntu, como não poderia deixar de ser, tem como propósito ser um espaço colaborativo no qual discutiremos assuntos de gestão em seu sentido mais amplo. Não teremos preconceito em relação a nenhum campo de conhecimento, mas sempre faremos a conexão com o dia a dia de executivos e empreendedores, para que no fim possamos construir um novo modelo de gestão.

Mais uma vez seja bem vindo!

Um abraço,

Eduardo Seidenthal

Facebook Twitter Linkedin+

Recomendo assistir às palestras e ler os trabalhos de Guy Kawasaki. De uma maneira muito leve, divertida e dinâmica, Guy Kawasaki, através do livro "The art of the Start", dá sua visão sobre empreendedorismo.

Neste link http://blog.guykawasaki.com/2006/06/the_art_of_the_.html você encontra uma palestra dele com o Top 10 do livro... Recomendo!

Dentro das 10 dicas dele, a primeira é sobre o que deve motivar um empreendedor a montar um negócio. A resposta não passa por ganhar dinheiro, e sim passa por TER UM PROPÓSITO.

Venho desde de 2006 me dedicando a este assunto pessoalmente. Era diretor de uma grande organização, com uma carreira meteórica, mas algo dentro de mim dizia que não era este o caminho que queria seguir. Saber o que não queria para a vida já era um bom começo, mas a grande pergunta era então " o que queria"?

Através de inúmeros trabalhos de auto conhecimento comecei a tentar encontrar meu verdadeiro propósito. Posso dizer hoje que este investimento de tempo, energia e claro, dinheiro, valeu muito a pena. E vai continuar valendo a pena pois é um processo contínuo. Cada movimento que fiz desde 2006 foi já em direção ao meu propósito. E a Ubuntu, acredito verdadeiramente, é o maior exemplo disso.

Quero dedicar a minha vida ao meu propósito. Claro que dúvidas, medos, incertezas em relação ao lado material surgem no meio do caminho, mas minha crença e certamente a de muitos empreendedores por aí é que a partir do momento que você está atrás do seu meaning, o lado material vem como consequência!

E você, tem clareza sobre o seu propósito? Se sim, o que está te impedindo de se mover nesta direção? E mais, como está a conexão do seu propósito com o da sua organização?

Eduardo Seidenthal

Facebook Twitter Linkedin+
Cheguei a esta palestra através da Daiane Morais pelo seu blog "meutrabalhoeeu". Sem dúvida uma palestra inspiradora de Barry Schawartz, psicólogo, professor de Teoria Social e de Ação Social na Faculdade Swarthmore, na Pennsylvania. Durante toda a minha carreira, assinei inúmeras políticas... Regras e mais regras que deveria ler, seguir e transmitir às minhas equipes. Confesso que isto sempre me incomodou porque a última coisa que me guiava no dia a dia do trabalho eram as famosas políticas. Interessante ainda que após os escândalos da Enron e o advento da Lei Sarbanes-Oxley, a quantidade de políticas, regras, e procedimentos aumentou exponencialmente nas cias americanas. Aí vem esta crise financeira mundial, e o assunto do momento é como regular ainda mais os organismos financeiros...Mais regras, mais políticas... Será que não vai ter fim? Uma alternativa interessante é um maior equilíbrio entre regras, leis e, o que podemos chamar de SABEDORIA. A partir do momento que nos guiamos por um sentido maior e seguimos princípios universais tais como: respeito, solidariedade, justiça; as decisões do dia a dia passam a ser mais efetivas de serem tomadas do que consultar a "pagina 14, parágrafo 3o. da política vigente da organização". Um exemplo que segue nesta direção é o da Johnson & Johnson, com seu famoso CREDO. Posso afirmar isto com propriedade pois trabalhei durante cinco anos nesta organização e presenciei decisões importantes em que o CREDO foi utilizado em detrimento de ganhos de curto prazo de poucos. Não estou aqui dizendo que a Johnson & Johnson é perfeita e não suscetível a falhas, e que não tem inúmeras políticas e procedimentos, mas definitivamente ela tem um bom guia de como as decisões devem ser tomadas. E sua organização, como está posicionada em relação ao equilíbrio de regras e não regras. Como a questão ética está sendo tratada? Com tudo o que está acontecendo no mundo não seria hora de dar maior ênfase a esta questão? Eduardo Seidenthal
Facebook Twitter Linkedin+
A Carta da Terra Brasil from Carta da Terra Brasil on Vimeo. Faço questão de colocar este video da carta da terra como um dos primeiros posts do Blog da Ubuntu. A historia deste video é por si só interessante. A partir de uma reflexão no auge da crise escrevi este texto e dei para o Valdir Bianchi, da agência EC. Disse a ele que não tinha "um real" para investir mas que gostaria que ele criasse algo em cima do texto (típico pedido de clientes!)... Algumas semanas depois o Valdir volta com uma idéia brilhante: dar o texto às crianças da Casa do Zezinho, entidade social de São Paulo, e pedir a elas que representassem o texto através de desenhos. Com uma parceria ainda com a Naima Almeida, uma produtora de som, e o apoio incondicional de Oscar Motomura da Amana-Key, o filme foi criado literalmente em um novo modelo. Novos modelos são possíveis. Só de pensar que na minha carreira gastei centenas de milhares de reais para produzir filmes! Ao criar a Ubuntu, um foco grande que tenho dado é em como utilizar os princípios da carta da terra na prática dos negócios da empresa. Uma reflexão é, por exemplo, o que representa justiça econômica e social ao considerarmos a definição do pricing da Ubuntu?  Ao construir uma rede de parceiros alinhados com o mesmo propósito, como garantir justiça enconômica para todos os stakeholders? É fato que o planeta, que passa por profunda tranformação, precisa de um novo modelo . Por que não construir novos modelos utilizando um guia, ou melhor um norte, como a carta da terra. E sua organização, como está posicionada em relação a estes princípios? Sugiro fortemente esta reflexão estratégica. Um abraço, Eduardo Seidenthal
Facebook Twitter Linkedin+

Muito se comentou nas últimas semanas sobre o Google Wave e como nossa experiência na internet pode mudar radicalmente com este lançamento. O que me fascinou nesta apresentação, além da inovação tecnológica, claro,  foi o modelo mental que guiou o processo de criação do Google Wave.

"E se tivessemos que criar o email a partir de agora? E se tivessemos que criar tudo do zero a partir de agora?"

Uma pergunta aparentemente boba, mas que pode gerar todo um raciocínio diferente do simples pensamento incremental.

E se aplicássemos estas mesmas perguntas à nossa carreira profissional? E se fosse começar minha carreira novamente, o que faria?

Se a resposta para esta pergunta é radicalmente diferente do que você está fazendo neste momento, pode ser hora de investir tempo e energia neste assunto!

Abaixo a apresentação do Google Wave... Se você já viu, veja novamente trechos reparando no modelo mental do time do Google Wave, aliás o mesmo time do Google Maps!

https://www.youtube.com/watch?v=v_UyVmITiYQ

Facebook Twitter Linkedin+

É com grande prazer que damos início ao blog da Ubuntu. Para quem ainda não conhece, a Ubuntu é uma empresa de consultoria especializada em despertar, estimular e desenvolver o Ubuntu presente em todas as pessoas, para garantir maior integração, colaboração, rendimento, resultados, e, felicidade.

Ubuntu é uma palavra africana que significa humanidade, relacionamento entre as pessoas, e colaboração.

Neste contexto, o blog da Ubuntu, como não poderia deixar de ser, tem como propósito ser um espaço colaborativo no qual discutiremos assuntos de gestão em seu sentido mais amplo. Não teremos preconceito em relação a nenhum campo de conhecimento, mas sempre faremos a conexão com o dia a dia de executivos e empreendedores, para que no fim possamos construir um novo modelo de gestão.

Mais uma vez seja bem vindo!

Um abraço,

Eduardo Seidenthal

Facebook Twitter Linkedin+