Tem sido cada dia mais comum encontrar pessoas que não veem mais sentido no que fazem. Têm boas carreiras, podem até ganhar muito por elas, mas sentem suas vidas se esvaziando. A sensação de que não querem mais viver desse jeito é crescente. E continuam caminhando pela vida com menos brilho, com pouca vontade, quase “sem querer”.

Como ajudar um “sem emprego”?

Estar perto de alguém sem emprego produz diferentes sentimentos e reações. Desde solidariedade e empatia que tanto confortam até um distanciamento, velado ou não, por não saber exatamente como agir. Isso pode ser desafiador, ainda mais nesse período de Festas. Pensando nisso, refleti sobre atitudes que ajudam – ou não - uma pessoa sem emprego.

 

A resposta para esta pergunta que me acompanha nestes últimos anos vem se mostrando (ou sendo respondida) de formas diferentes. Gostaria de compartilhar com vocês o que refleti a respeito.

Inteligência Emocional para liderar melhorar

Inteligência Emocional não é algo que herdamos nem uma característica fixa. Diferentemente de Q.I. e de personalidade, ela pode e deve ser desenvolvida continuamente.

 

E, olhando o relógio, vejo que já são 8h00 da noite, o calendário marca que dezembro chegou. Me surpreende o tempo que vem me engolindo e que, às vezes, passa tão devagar. Nessa conversa, que parece daquelas que tenho com alguém quando quero “passar o tempo”, começo a refletir sobre Chronos e Kairós. O primeiro é o tempo contado por números, horas, dias, anos.

Tem sido cada dia mais comum encontrar pessoas que não veem mais sentido no que fazem. Têm boas carreiras, podem até ganhar muito por elas, mas sentem suas vidas se esvaziando. A sensação de que não querem mais viver desse jeito é crescente. E continuam caminhando pela vida com menos brilho, com pouca vontade, quase “sem querer”.

Estar perto de alguém sem emprego produz diferentes sentimentos e reações. Desde solidariedade e empatia que tanto confortam até um distanciamento, velado ou não, por não saber exatamente como agir. Isso pode ser desafiador, ainda mais nesse período de Festas. Pensando nisso, refleti sobre atitudes que ajudam – ou não - uma pessoa sem emprego.

 

A resposta para esta pergunta que me acompanha nestes últimos anos vem se mostrando (ou sendo respondida) de formas diferentes. Gostaria de compartilhar com vocês o que refleti a respeito.

Inteligência Emocional não é algo que herdamos nem uma característica fixa. Diferentemente de Q.I. e de personalidade, ela pode e deve ser desenvolvida continuamente.

 

E, olhando o relógio, vejo que já são 8h00 da noite, o calendário marca que dezembro chegou. Me surpreende o tempo que vem me engolindo e que, às vezes, passa tão devagar. Nessa conversa, que parece daquelas que tenho com alguém quando quero “passar o tempo”, começo a refletir sobre Chronos e Kairós. O primeiro é o tempo contado por números, horas, dias, anos.