Se você chegou até aqui querendo saber sobre como a Rede Ubuntu pode te ajudar a descobrir e viver o seu propósito de vida, esse é o momento certo para matar sua curiosidade: RUA! O primeiro programa da formação de um EUpreendedor, dentro da Filosofia Aclamada da Rede Ubuntu hoje é o tema central desse ping-pong com o Eduardo Seidenthal, fundador da Rede e o mais antigo participante de todos os grupos. Edu conta para a gente suas experiências como facilitador desse processo de aprendizagem e responde as perguntas mais frequentes sobre ele. 

 


Eduardo Seidenthal é fundador da Rede Ubuntu e tem mais de dez anos de experiência em grandes multinacionais, tais como Unilever, Philip Morris, Whirlpool e Johnson & Johnson, tendo construído sua carreira na área de marketing, foi Diretor da América Latina da Johnson & Johnson. Administrou diversas marcas de sucesso, como Brilhante, Marlboro, Brastemp, Consul, Sundown, Sempre Livre e Carefree. Antes de fundar a Ubuntu, ainda trabalhou como Diretor do Grupo Amana-Key, presidido por Oscar Motomura, uma empresa focada em inovações radicais em gestão por meio de programas de desenvolvimento para líderes e consultoria estratégica. É formado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas com MBA por BabsonCollege, a #1 em Empreendedorismo nos EUA.

 

O que é RUA?

O RUA é o nosso primeiro programa no ciclo do desenvolvimento do EUpreendedorismo. É um programa voltado a apoiar, estimular e provocar as pessoas a refletirem sobre seus propósitos de vida, e também mapearem possíveis caminhos de carreira para empreender tais propósitos. Quando dizemos empreender, não estamos necessariamente dizendo que as pessoas saem para abrir negócios, conceito normalmente associado a palavra empreendedorismo. Empreender pode ser aqui em qualquer lugar, numa grande organização, numa pequena, no governo, sendo autônomo, etc. É empreender caminhos ligados ao seu propósito!

Por que esse nome?

RUA quer dizer Rede Ubuntu de Aprendizagem, mas também é uma brincadeira nossa pois a Rede Ubuntu está dedicada a criar programas educacionais inovadores, e, portanto, a brincadeira aqui é que se pode aprender em qualquer lugar, principalmente na RUA! Precisamos disassociardissociar aprendizagem a de apenas escola e salas de aula. Tanto que, muitas vezes, os próprios participantes do RUA tem dificuldade de chamar o RUA de curso, pois sabem que curso não explica bem o que é..... Assim, chamamos de RUA! Ou mesmo nosso primeiro programa de EUpreendedorismo.

 

 

O que vocês tem sentido de retorno dos participantes?

Vivemos experiências incríveis e o retorno tem sido excelente! Como sempre dizemos o EUpreendedorismo é um processo. Ele começa e não termina nunca. O que claramente temos de diferenciais com o RUA, dito pelos próprios participantes, é que aceleramos o processo de reflexão de propósito, organizamos muitas ideias que antes estavam jogadas ou desconexas. Também permite um ambiente e um processo pelo qual os participantes se enxerguem melhor, seus talentos e valores, para que possam ter a força necessária para seguirem caminhos mais sintonizados com seus propósitos

Por ser um processo, não temos como garantir o resultado final, pois este depende do ponto de partida do participante, do processo que aquele grupo criar (cada grupo é um grupo) e também todas as outras dimensões da vida das pessoas. 

Mas o que posso sim afirmar é que não teve nenhum participante até hoje que disse que o RUA não deu resultado. Todos ressaltam quanto o RUA fez diferença em suas vidas.

 

Algum caso específico que valha à pena compartilhar? 

Uma cena marcante para mim foi o último dia do primeiro RUA VIla Vila Madalena que facilitamos. Em uma roda de conversa livre sobre como tinha sido aquela experiência para cada um, tínhamos duas participantes lado a lado muito felizes e ressaltando o quanto o RUA tinha sido fundamental em suas vidas. A primeira, após seu depoimento, entregou cartões de visita da sua nova empresa que tinha criado ao longo do processo do EUpreendedorismo. A segunda, tão feliz quanto, dizendo que tinha conseguido responder a primeira pergunta que havíamos feito no programa, lá no segundo encontro! Resultados muito diferentes, mas níveis de satisfação altíssimos para ambas, pois cada uma está em uma jornada! Nem melhor e nem pior, apenas diferentes.

 

 

Quais são as vantagens de participar de um processo de auto conhecimento, mas inserido em um grupo?

Acho que pela própria definição da palavra UBUNTU consigo responder esta pergunta. "Eu sou porque nós somos" é para mim a melhor definição de UBUNTU. Sou fã do processo de EUpreendedorismo coletivo, pois através do outro consigo me enxergar melhor, consigo ganhar diferentes perspectivas, e diria que principalmente percebo que não sou o único que está nessa jornada de reflexão.

Muitas vezes o processo do EUpreendedorismo gera certos incômodos, e estar em grupo facilita MUITO este processo.

Os participantes do RUA passam por que tipo de atividades durante o percurso?

Uma das inspirações da Rede Ubuntu do ponto de vista teórico é a Teoria Integral, e nesta teoria, a abordagem sempre busca um desenvolvimento mental/cognitivo, mas também emocional, físico, e espiritual. Assim, o que posso afirmar é que o RUA trabalha nessas diferentes dimensões. EUpreendedorismo não é um processo apenas mental, ele é integral!

Como é a estrutura do curso, propriamente dita?

O RUA é dividido em 4 etapas. A primeira é a Introdução e criações de vínculo entre os participantes e os facilitadores. A segunda etapa é de coleta, isto é, uma série de exercícios para você se enxergar por diferentes ângulos e perspectivas. Terceira etapa é focada na reflexão de propósito de vida. E finalmente a quarta etapa é dedicada a mapear os possíveis caminhos de trabalho que possam te fazer se movimentar em direção ao seu propósito.

 

O RUA é indicado para quem?

O RUA é indicado para pessoas! Ele é um programa bem universal. Pela nossa experiência, é um processo indicado para pessoas acima de 15 anos, em diferentes ciclos de vida. Temos nas mais variadas turmas um grupo bem diverso do ponto de vista de idades, profissões, formações, origens e histórias, e isso traz um riqueza infinita para o processo! Ubuntu!

Por que na Vila Madalena?

O nosso sonho é que o RUA se espalhe! A sua primeira versão começou na Vila Madalena, mas já tem RUA em Curitiba, Campinas e Granja Viana e existem iniciativas para ter RUA em outros bairros de SP, ou mesmo em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, e outras cidades do país, na medida que a Rede Ubuntu em si também está crescendo. Assim, o RUA Vila Madalena foi apenas o primeiro passo de uma longa jornada. Um movimento de EUpreendedorismo que vem se espalhando!

 

UPDATE: NOVAS TURMAS 2017  - GARANTA SUA VAGA - AULAS INICIAM EM MARÇO

RUA VILA MADALENA

RUA CAMPINAS

RUA CURITIBA

RUA GRANJA VIANA

Facebook Twitter Linkedin+

Café com Edu - Preguiça

Episódio de 31 de janeiro de 2017, da série Café com Edu, transmitida toda terça-feira às 8am via Periscope e Facebook Live. 

Eduardo é fundador da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo e compartilha semanalmente suas reflexões na jornada de EUpreendedorismo.

Neste episódio, Edu provoca uma reflexão sobre "Preguiça", característica deste momento pós-férias e o que pode estar por trás deste sentimento que muitas vezes nos impede de agir.

Facebook Twitter Linkedin+

 

Episódio de 20 de dezembro de 2016, da série Café com Edu, transmitida toda terça-feira às 8am via Periscope e Facebook Live. 

Eduardo é fundador da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo e compartilha semanalmente suas reflexões na jornada de EUpreendedorismo.

Neste episódio,  Edu traz uma reflexão sobre a importância dos limites em nossas vidas, inspirada no Encontrão anual da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo.

 

Facebook Twitter Linkedin+

Café com Edu - Ornando

Episódio de 06 de dezembro de 2016, da série Café com Edu, transmitida toda terça-feira às 8am via Periscope e Facebook Live. 

Neste episódio,  Edu revela novidades da Rede Ubuntu e de parceiros que buscam 'ornar' mente, emoções e corpo físico!

Eduardo é fundador da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo e compartilha semanalmente suas reflexões na jornada de EUpreendedorismo.

 

Facebook Twitter Linkedin+

Quando Ricardo Gottlieb Lindenbojm, o Rico, decidiu participar do RUA (Rede Ubuntu de Aprendizagem), em março de 2015, buscava conhecer pessoas interessantes e inspiradoras e ampliar seu círculo de amizades. Naquela época, não imaginava que esse programa de autoconhecimento o inspiraria a fazer, um ano e meio depois, novos amigos em São Paulo e também no Peru, Nicarágua, Costa Rica, África do Sul, Moçambique, Quênia, entre outros países. E muito mais!

Nesse curto período, diante de uma mudança nos negócios, movido pelo EUpreendedorismo e por sua paixão por viagens, surfe e mergulho, Rico deu uma virada profissional voltada a fazer o bem. O promissor resultado desse processo é a Passion & Purpose Experience, agência especializada em Volunturismo, atividade para quem quer viajar e, também, fazer trabalho voluntário.

Talvez, a vontade de mudar os rumos da carreira já estivesse latente quando os encontros do RUA começaram. Publicitário, Rico era sócio há 11 anos de uma bem-sucedida agência de eventos. Por outro lado, se sentia um pouco acomodado, cansado “de fazer mais do mesmo”. Foi quando, em comum acordo, ele e o sócio resolveram encerrar as atividades da agência e seguir caminhos distintos. Um ciclo havia se encerrado e um novo estava prestes a começar.  

Nas conversas do RUA, Rico ouviu o termo Volunturismo pela primeira vez. O interesse o levou a pesquisar o assunto e a fazer uma viagem para Corumbá de Goiás, próximo à Brasília, visando a aprender mais e ver como funcionava esse tipo de experiência. Voltou entusiasmado e decidido a investir nesse novo negócio. “Tinha definido o meu propósito: oferecer às pessoas, por meio dos programas de viagem, oportunidades de vivenciarem experiências transformadoras voltadas a fazer o bem”, conta Rico.

Faltava tirar o plano de negócios do papel. Assim que o RUA terminou, se inscreveu na Aceleradora de Propósito, programa da Rede Ubuntu voltado ao desenvolvimento de empreendimentos e projetos. Durante esse novo processo, estagiou em uma agência de turismo, para entender a dinâmica do negócio. Por meses, visitou vários países, para firmar parcerias com entidades dispostas a receber os turistas e, assim, montar programas em destinos de interesse dos turistas brasileiros. Também estudou medidas necessárias para garantir a atuação responsável nas opções oferecidas, como por exemplo, a apresentação de atestado de antecedentes criminais pelos turistas, uma vez que o trabalho voluntário envolve crianças.

“A Rede Ubuntu foi fundamental em todo esse processo. Foi lá que a faísca inicial se deu e o projeto tomou forma e nasceu”, afirma Rico. No começo, ele se sentia como se estivesse o tempo todo em uma montanha russa, sensação comum a todo empreendedor. Mas tinha o apoio da família e reserva financeira, por conta da agência de eventos, ou seja, segurança para montar o projeto com calma. “Aos poucos, a ideia começou a atrair pessoas e parceiros, reforçando minha crença na nova empreitada”, lembra Rico.

Na prática – O Brasil, segundo Rico, tem pouquíssimas empresas dedicadas ao Volunturismo. O fato de ser uma atividade incipiente, facilitava criar algo novo em comparação às agências de viagem tradicionais. Os programas da Passion & Purpose Experience incluem paisagens, passeios e atividades voluntárias inesquecíveis. Os turistas podem atuar em atividades voltadas à preservação animal e ambiental, em entidades para crianças em situação de risco, entre outras. Outra proposta são roteiros personalizados para famílias, para pais em busca de atividades voluntárias ao lado dos filhos. O site da agência traz sugestões de  roteiros para países de todos os continentes. No Brasil, o destino é a Amazônia e novas opções serão lançadas em breve.

Nas viagens realizadas para desenvolver os programas, Rico fez vários amigos, conheceu lugares muito pobres onde as pessoas mantêm a esperança e viveu momentos de alegria manifestados em pequenos detalhes. Em cada uma delas, trouxe na bagagem sorrisos de crianças, gestos de simplicidade e atenção, abraços fraternos, lembranças de momentos de troca, compartilhamento, acolhimento e conexão entre pessoas do mundo todo. Aos poucos, essas histórias estão sendo publicadas no site e no Facebook.

Uma delas ocorreu recentemente, quando Rico foi ao Quênia. Em Nairóbi, visitou a maior favela do mundo, Kibera, com 2,5 milhões de habitantes e uma ONG criada pela brasileira Mariana Fischer, a Hai Africa. A entidade cuida de órfãos, portadores do vírus HIV e de crianças que passam o dia lá, enquanto os pais trabalham. Antes da viagem, movimentou sua rede social em busca de donativos para a instituição e viajou com 30 quilos de donativos, entre roupas, escovas e pastas de dentes, materiais escolares e brinquedos doados por amigos. Tudo muito bem distribuído e aproveitado.

“Nessas viagens tenho encontrado pessoas incríveis, sejam moradores ou turistas de vários países, buscando fazer o bem a outro ser humano. Em todas as experiências, volto transformado”, relata.  O programa no Quênia está sendo montado e deve incluir, além do trabalho voluntário, visita a um orfanato de elefantes e um safári na reserva Masai Mara. É esperar e conferir.

Hoje, Rico se diz uma pessoa mais calma e tolerante, buscando não julgar os outros. Confiante, acredita no tempo e no trabalho bem feito para o negócio decolar. A paixão pelo sonho que começou a construir é um exemplo para quem está em etapas anteriores do EUpreendedorismo. Ele já definiu o próximo passo: trazer turistas estrangeiros para conhecer as maravilhas do Brasil, enquanto desenvolvem trabalho voluntário.

Silvia Maiolino é membro da Rede Ubuntu e integra a equipe de produção do Papo de Propósito

Facebook Twitter Linkedin+

Se você chegou até aqui querendo saber sobre como a Rede Ubuntu pode te ajudar a descobrir e viver o seu propósito de vida, esse é o momento certo para matar sua curiosidade: RUA! O primeiro programa da formação de um EUpreendedor, dentro da Filosofia Aclamada da Rede Ubuntu hoje é o tema central desse ping-pong com o Eduardo Seidenthal, fundador da Rede e o mais antigo participante de todos os grupos. Edu conta para a gente suas experiências como facilitador desse processo de aprendizagem e responde as perguntas mais frequentes sobre ele. 

 


Eduardo Seidenthal é fundador da Rede Ubuntu e tem mais de dez anos de experiência em grandes multinacionais, tais como Unilever, Philip Morris, Whirlpool e Johnson & Johnson, tendo construído sua carreira na área de marketing, foi Diretor da América Latina da Johnson & Johnson. Administrou diversas marcas de sucesso, como Brilhante, Marlboro, Brastemp, Consul, Sundown, Sempre Livre e Carefree. Antes de fundar a Ubuntu, ainda trabalhou como Diretor do Grupo Amana-Key, presidido por Oscar Motomura, uma empresa focada em inovações radicais em gestão por meio de programas de desenvolvimento para líderes e consultoria estratégica. É formado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas com MBA por BabsonCollege, a #1 em Empreendedorismo nos EUA.

 

O que é RUA?

O RUA é o nosso primeiro programa no ciclo do desenvolvimento do EUpreendedorismo. É um programa voltado a apoiar, estimular e provocar as pessoas a refletirem sobre seus propósitos de vida, e também mapearem possíveis caminhos de carreira para empreender tais propósitos. Quando dizemos empreender, não estamos necessariamente dizendo que as pessoas saem para abrir negócios, conceito normalmente associado a palavra empreendedorismo. Empreender pode ser aqui em qualquer lugar, numa grande organização, numa pequena, no governo, sendo autônomo, etc. É empreender caminhos ligados ao seu propósito!

Por que esse nome?

RUA quer dizer Rede Ubuntu de Aprendizagem, mas também é uma brincadeira nossa pois a Rede Ubuntu está dedicada a criar programas educacionais inovadores, e, portanto, a brincadeira aqui é que se pode aprender em qualquer lugar, principalmente na RUA! Precisamos disassociardissociar aprendizagem a de apenas escola e salas de aula. Tanto que, muitas vezes, os próprios participantes do RUA tem dificuldade de chamar o RUA de curso, pois sabem que curso não explica bem o que é..... Assim, chamamos de RUA! Ou mesmo nosso primeiro programa de EUpreendedorismo.

 

 

O que vocês tem sentido de retorno dos participantes?

Vivemos experiências incríveis e o retorno tem sido excelente! Como sempre dizemos o EUpreendedorismo é um processo. Ele começa e não termina nunca. O que claramente temos de diferenciais com o RUA, dito pelos próprios participantes, é que aceleramos o processo de reflexão de propósito, organizamos muitas ideias que antes estavam jogadas ou desconexas. Também permite um ambiente e um processo pelo qual os participantes se enxerguem melhor, seus talentos e valores, para que possam ter a força necessária para seguirem caminhos mais sintonizados com seus propósitos

Por ser um processo, não temos como garantir o resultado final, pois este depende do ponto de partida do participante, do processo que aquele grupo criar (cada grupo é um grupo) e também todas as outras dimensões da vida das pessoas. 

Mas o que posso sim afirmar é que não teve nenhum participante até hoje que disse que o RUA não deu resultado. Todos ressaltam quanto o RUA fez diferença em suas vidas.

 

Algum caso específico que valha à pena compartilhar? 

Uma cena marcante para mim foi o último dia do primeiro RUA VIla Vila Madalena que facilitamos. Em uma roda de conversa livre sobre como tinha sido aquela experiência para cada um, tínhamos duas participantes lado a lado muito felizes e ressaltando o quanto o RUA tinha sido fundamental em suas vidas. A primeira, após seu depoimento, entregou cartões de visita da sua nova empresa que tinha criado ao longo do processo do EUpreendedorismo. A segunda, tão feliz quanto, dizendo que tinha conseguido responder a primeira pergunta que havíamos feito no programa, lá no segundo encontro! Resultados muito diferentes, mas níveis de satisfação altíssimos para ambas, pois cada uma está em uma jornada! Nem melhor e nem pior, apenas diferentes.

 

 

Quais são as vantagens de participar de um processo de auto conhecimento, mas inserido em um grupo?

Acho que pela própria definição da palavra UBUNTU consigo responder esta pergunta. "Eu sou porque nós somos" é para mim a melhor definição de UBUNTU. Sou fã do processo de EUpreendedorismo coletivo, pois através do outro consigo me enxergar melhor, consigo ganhar diferentes perspectivas, e diria que principalmente percebo que não sou o único que está nessa jornada de reflexão.

Muitas vezes o processo do EUpreendedorismo gera certos incômodos, e estar em grupo facilita MUITO este processo.

Os participantes do RUA passam por que tipo de atividades durante o percurso?

Uma das inspirações da Rede Ubuntu do ponto de vista teórico é a Teoria Integral, e nesta teoria, a abordagem sempre busca um desenvolvimento mental/cognitivo, mas também emocional, físico, e espiritual. Assim, o que posso afirmar é que o RUA trabalha nessas diferentes dimensões. EUpreendedorismo não é um processo apenas mental, ele é integral!

Como é a estrutura do curso, propriamente dita?

O RUA é dividido em 4 etapas. A primeira é a Introdução e criações de vínculo entre os participantes e os facilitadores. A segunda etapa é de coleta, isto é, uma série de exercícios para você se enxergar por diferentes ângulos e perspectivas. Terceira etapa é focada na reflexão de propósito de vida. E finalmente a quarta etapa é dedicada a mapear os possíveis caminhos de trabalho que possam te fazer se movimentar em direção ao seu propósito.

 

O RUA é indicado para quem?

O RUA é indicado para pessoas! Ele é um programa bem universal. Pela nossa experiência, é um processo indicado para pessoas acima de 15 anos, em diferentes ciclos de vida. Temos nas mais variadas turmas um grupo bem diverso do ponto de vista de idades, profissões, formações, origens e histórias, e isso traz um riqueza infinita para o processo! Ubuntu!

Por que na Vila Madalena?

O nosso sonho é que o RUA se espalhe! A sua primeira versão começou na Vila Madalena, mas já tem RUA em Curitiba, Campinas e Granja Viana e existem iniciativas para ter RUA em outros bairros de SP, ou mesmo em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, e outras cidades do país, na medida que a Rede Ubuntu em si também está crescendo. Assim, o RUA Vila Madalena foi apenas o primeiro passo de uma longa jornada. Um movimento de EUpreendedorismo que vem se espalhando!

 

UPDATE: NOVAS TURMAS 2017  - GARANTA SUA VAGA - AULAS INICIAM EM MARÇO

RUA VILA MADALENA

RUA CAMPINAS

RUA CURITIBA

RUA GRANJA VIANA

Facebook Twitter Linkedin+

Episódio de 31 de janeiro de 2017, da série Café com Edu, transmitida toda terça-feira às 8am via Periscope e Facebook Live. 

Eduardo é fundador da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo e compartilha semanalmente suas reflexões na jornada de EUpreendedorismo.

Neste episódio, Edu provoca uma reflexão sobre "Preguiça", característica deste momento pós-férias e o que pode estar por trás deste sentimento que muitas vezes nos impede de agir.

Facebook Twitter Linkedin+

 

Episódio de 20 de dezembro de 2016, da série Café com Edu, transmitida toda terça-feira às 8am via Periscope e Facebook Live. 

Eduardo é fundador da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo e compartilha semanalmente suas reflexões na jornada de EUpreendedorismo.

Neste episódio,  Edu traz uma reflexão sobre a importância dos limites em nossas vidas, inspirada no Encontrão anual da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo.

 

Facebook Twitter Linkedin+

Episódio de 06 de dezembro de 2016, da série Café com Edu, transmitida toda terça-feira às 8am via Periscope e Facebook Live. 

Neste episódio,  Edu revela novidades da Rede Ubuntu e de parceiros que buscam 'ornar' mente, emoções e corpo físico!

Eduardo é fundador da Rede Ubuntu de EUpreendedorismo e compartilha semanalmente suas reflexões na jornada de EUpreendedorismo.

 

Facebook Twitter Linkedin+

Quando Ricardo Gottlieb Lindenbojm, o Rico, decidiu participar do RUA (Rede Ubuntu de Aprendizagem), em março de 2015, buscava conhecer pessoas interessantes e inspiradoras e ampliar seu círculo de amizades. Naquela época, não imaginava que esse programa de autoconhecimento o inspiraria a fazer, um ano e meio depois, novos amigos em São Paulo e também no Peru, Nicarágua, Costa Rica, África do Sul, Moçambique, Quênia, entre outros países. E muito mais!

Nesse curto período, diante de uma mudança nos negócios, movido pelo EUpreendedorismo e por sua paixão por viagens, surfe e mergulho, Rico deu uma virada profissional voltada a fazer o bem. O promissor resultado desse processo é a Passion & Purpose Experience, agência especializada em Volunturismo, atividade para quem quer viajar e, também, fazer trabalho voluntário.

Talvez, a vontade de mudar os rumos da carreira já estivesse latente quando os encontros do RUA começaram. Publicitário, Rico era sócio há 11 anos de uma bem-sucedida agência de eventos. Por outro lado, se sentia um pouco acomodado, cansado “de fazer mais do mesmo”. Foi quando, em comum acordo, ele e o sócio resolveram encerrar as atividades da agência e seguir caminhos distintos. Um ciclo havia se encerrado e um novo estava prestes a começar.  

Nas conversas do RUA, Rico ouviu o termo Volunturismo pela primeira vez. O interesse o levou a pesquisar o assunto e a fazer uma viagem para Corumbá de Goiás, próximo à Brasília, visando a aprender mais e ver como funcionava esse tipo de experiência. Voltou entusiasmado e decidido a investir nesse novo negócio. “Tinha definido o meu propósito: oferecer às pessoas, por meio dos programas de viagem, oportunidades de vivenciarem experiências transformadoras voltadas a fazer o bem”, conta Rico.

Faltava tirar o plano de negócios do papel. Assim que o RUA terminou, se inscreveu na Aceleradora de Propósito, programa da Rede Ubuntu voltado ao desenvolvimento de empreendimentos e projetos. Durante esse novo processo, estagiou em uma agência de turismo, para entender a dinâmica do negócio. Por meses, visitou vários países, para firmar parcerias com entidades dispostas a receber os turistas e, assim, montar programas em destinos de interesse dos turistas brasileiros. Também estudou medidas necessárias para garantir a atuação responsável nas opções oferecidas, como por exemplo, a apresentação de atestado de antecedentes criminais pelos turistas, uma vez que o trabalho voluntário envolve crianças.

“A Rede Ubuntu foi fundamental em todo esse processo. Foi lá que a faísca inicial se deu e o projeto tomou forma e nasceu”, afirma Rico. No começo, ele se sentia como se estivesse o tempo todo em uma montanha russa, sensação comum a todo empreendedor. Mas tinha o apoio da família e reserva financeira, por conta da agência de eventos, ou seja, segurança para montar o projeto com calma. “Aos poucos, a ideia começou a atrair pessoas e parceiros, reforçando minha crença na nova empreitada”, lembra Rico.

Na prática – O Brasil, segundo Rico, tem pouquíssimas empresas dedicadas ao Volunturismo. O fato de ser uma atividade incipiente, facilitava criar algo novo em comparação às agências de viagem tradicionais. Os programas da Passion & Purpose Experience incluem paisagens, passeios e atividades voluntárias inesquecíveis. Os turistas podem atuar em atividades voltadas à preservação animal e ambiental, em entidades para crianças em situação de risco, entre outras. Outra proposta são roteiros personalizados para famílias, para pais em busca de atividades voluntárias ao lado dos filhos. O site da agência traz sugestões de  roteiros para países de todos os continentes. No Brasil, o destino é a Amazônia e novas opções serão lançadas em breve.

Nas viagens realizadas para desenvolver os programas, Rico fez vários amigos, conheceu lugares muito pobres onde as pessoas mantêm a esperança e viveu momentos de alegria manifestados em pequenos detalhes. Em cada uma delas, trouxe na bagagem sorrisos de crianças, gestos de simplicidade e atenção, abraços fraternos, lembranças de momentos de troca, compartilhamento, acolhimento e conexão entre pessoas do mundo todo. Aos poucos, essas histórias estão sendo publicadas no site e no Facebook.

Uma delas ocorreu recentemente, quando Rico foi ao Quênia. Em Nairóbi, visitou a maior favela do mundo, Kibera, com 2,5 milhões de habitantes e uma ONG criada pela brasileira Mariana Fischer, a Hai Africa. A entidade cuida de órfãos, portadores do vírus HIV e de crianças que passam o dia lá, enquanto os pais trabalham. Antes da viagem, movimentou sua rede social em busca de donativos para a instituição e viajou com 30 quilos de donativos, entre roupas, escovas e pastas de dentes, materiais escolares e brinquedos doados por amigos. Tudo muito bem distribuído e aproveitado.

“Nessas viagens tenho encontrado pessoas incríveis, sejam moradores ou turistas de vários países, buscando fazer o bem a outro ser humano. Em todas as experiências, volto transformado”, relata.  O programa no Quênia está sendo montado e deve incluir, além do trabalho voluntário, visita a um orfanato de elefantes e um safári na reserva Masai Mara. É esperar e conferir.

Hoje, Rico se diz uma pessoa mais calma e tolerante, buscando não julgar os outros. Confiante, acredita no tempo e no trabalho bem feito para o negócio decolar. A paixão pelo sonho que começou a construir é um exemplo para quem está em etapas anteriores do EUpreendedorismo. Ele já definiu o próximo passo: trazer turistas estrangeiros para conhecer as maravilhas do Brasil, enquanto desenvolvem trabalho voluntário.

Silvia Maiolino é membro da Rede Ubuntu e integra a equipe de produção do Papo de Propósito

Facebook Twitter Linkedin+