Escolhas para abrir o coração

Desde o primeiro emprego em um escritório, aos 12 anos, até chegar à área de Marketing em uma multinacional americana do setor do agronegócio, Ana Zacharias nunca escolheu os lugares onde trabalhou. E, mesmo “escolhida” pelas empresas, construiu uma carreira da qual tem muito orgulho e respeito. Foram 25 anos dessa fase profissional, período no qual cursou Administração de Empresas e pós-graduação em Tendências de Mercado, criou e executou projetos na América Latina, construiu relações de respeito, carinho e cuidado com os colegas. E conquistou o reconhecimento dos pais, que nos anos 1970 haviam de mudado do Interior de São Paulo para Curitiba, em busca de melhores oportunidades para a família de oito filhos.

Ana sempre deu valor a tudo o que realizou. Mas, em 2013, se sentia extremamente infeliz e cansada, sem saber que caminhos seguir. Até que no final desse ano foi demitida de forma inesperada, por conta de uma mudança corporativa. “Precisei de um tempo para pensar como seria minha vida dali em diante. Ainda não tinha consciência do meu direito a escolhas, mas me transformei a partir dali”, conta.

Nos últimos quatro anos, Ana vem construindo uma nova fase profissional. Nesse período aceitou alguns convites e recusou outros, estudou, refletiu e seguiu o que dizia o seu coração, para chegar à atual fase, muito alinhada ao seu propósito e às suas escolhas. Um processo que a levou a ser Coach Ontológico e sócia de um coworking na capital paranaense.

Um dos primeiros convites que recebeu, logo que saiu da empresa, foi de Jose Sarria, amigo e coach que estava organizando a Rede Ubuntu em Curitiba. Ele precisava de ajuda para formar a primeira turma do RUA, programa sobre EUpreendedorismo que começaria em agosto de 2014. Ana aceitou, pois poderia, além de conhecer a própria Rede, se dedicar ao RUA enquanto participava de entrevistas do processo de outplacement. Naquela época, um novo emprego ainda era o caminho mais natural a ser seguido. Essa perspectiva, porém, mudou pouco tempo depois: em uma entrevista, ao ver o ambiente de formalidade da empresa e os futuros colegas sentados em baias, percebeu que não desejava mais trabalhar daquela maneira.

“Sabia o que não queria, mas não sabia o que queria e muito menos como faria”, diz Ana, lembrando a cobrança de si mesma e de amigos e parentes para trabalhar e ganhar dinheiro. Foi quando recebeu o segundo convite: Flavia Prieto, uma amiga, ia inaugurar um bar – o Paradis Club – e precisava de ajuda.

“Eu não entendia nada de programas de autoconhecimento nem do funcionamento de um bar. Precisei rever meu jeito de pensar, de ver as pessoas. E percebi que não conhecia quase ninguém em Curitiba. Viajava muito a trabalho, não me conectava nem lá fora nem aqui. Queria muito conhecer pessoas, por isso, aproveitei ao máximo as duas oportunidades. ”

Também em 2014, Ana resolveu fazer formação em coaching, escolhendo o Integrated Coaching Institute (ICI). Na primeira aula, um dos professores anunciou: “Aqui, quem fala sou eu”. Essa postura arrogante a incomodou muito e, por mais que adquirisse conhecimento e se interessasse, seu coração não se conectou com o curso.

 

 

Ana: sonho em ser a quem as pessoas buscam para abrir o coração.
Ana: sonho em ser a quem as pessoas buscam para abrir o coração. 
 

Reencontros e Parcerias – Por vários meses, Ana também recebeu notícias sobre a demissão de outros amigos e colegas da empresa e começou a trocar ideias sobre planos e projetos. Simone Cavalli, designer, propôs criarem uma consultoria em agronegócio, mas Ana não se sentia pronta a voltar a atuar nessa área. As duas, então, junto com Andrea Malaguido, Cristiane Sampaio e Camilo Prado começaram a trocar ideias sobre abrirem uma empresa de eventos, cursos corporativos, entre outras atividades, para trabalharem juntos. Até que a Flavia Prieto perguntou: “Vocês já ouviram falar em coworking?” Ela tinha um lugar que iria fechar e, assim, eles estariam ligados em um mesmo projeto.

Dessa pergunta nasceu o projeto que uniu os cinco amigos: a Villa Coworking. A Prefeitura não aprovou o projeto no espaço da Flavia. Eles, então, visitaram mais 25 locais, até chegarem à decisão final: “Quando entramos pela primeira vez na casa escolhida, a Simone me perguntou se me via trabalhando lá. E eu disse que sim.”

Paralelamente às obras na casa, Ana começou a formação em Coaching Ontológico, pela Newfield Network, no Chile, sobre a qual tinha excelentes referências. Ansiosa, conta ainda com emoção sobre a primeira aula. Havia cerca de 200 pessoas no auditório. Julio Ollala, criador do curso, parou e ficou olhando todos. Depois, falou: Eu me emociono e sinto muita gratidão por vocês estarem aqui, pois me permitem estar aqui também. “A conexão foi imediata”, lembra.

Segundo Ana, 2015 foi um ano muito intenso. A formação em coaching e a abertura da Villa a levaram a aprendizados de várias ordens, além da conexão consigo mesma, com a criança interior, os sonhos e o coração. “Foi um período muito lindo!”

A Villa, localizada no Alto da Glória, charmosa região de Curitiba, foi inaugurada em fevereiro de 2016. O projeto preservou o estilo dos anos 1960 da casa, com detalhes em cimento queimado e canos aparentes. Entre empresas e profissionais liberais, recebe um público acima de 30 anos, como os próprios sócios. Além de salas, possui auditório para 50 pessoas e salas de reunião.

“A Villa é o meu principal objetivo de trabalho, doei muito para esse projeto, que me nutre também. Não me sinto presa, mas preciso estar aqui”, diz Ana. Ao lado de dois dos sócios, ela é responsável pelo funcionamento do espaço. Juntos, os cinco tomam as principais decisões. O primeiro ano de atividades foi de desafios: equilibrar as contas com aprendizado e criatividade e também criar novas formas de todos trabalharem juntos novamente. “Tem sido um processo difícil, mas muito bonito, pela generosidade de todos nós, compaixão e entendimento de que conflitos fazem parte do processo.”

 

 

Ana, Cristiane e Simone: parceria inspirada na amizade e generosidade.
Ana, Cristiane e Simone: parceria inspirada na amizade e generosidade.

Atuação no mundo – Para Ana, todas essas mudanças e desafios trouxeram aprendizados que a levaram a repensar sua forma de atuar no mundo. Hoje, por exemplo, prefere viajar de ônibus para São Paulo, reduzindo sua pegada de carbono e utilizando a diferença da passagem área para investir em outras necessidades. Também mudou sua relação com dinheiro, roupas e sapatos.

“Transformei meu modelo mental. Hoje preciso de pouco para viver. Sinto falta de férias e de viajar, ando muito cansada. Mas isso não quer dizer que não celebre minhas conquistas. Aprendi a agradecer com minha mãe e respeito muito isso”, afirma. Quem conhece Ana sabe o quanto ela celebra os momentos, pelo seu jeito acolhedor de tratar as pessoas. Os encontros da Rede Ubuntu ganham alegria, leveza e profundidade com sua presença.

Recentemente, Ana chegou a achar que seu novo modelo de vida não era para ela. Não faz muito tempo, recebeu uma proposta de emprego e decidiu conferir. Na entrevista, o recrutador comentou que ela precisava “esquentar” o currículo, pois “não havia feito nada” desde 2013. “Não sei como fazer isso”, respondeu.

Aos poucos, tanto o trabalho na Villa como o coaching estão deslanchando. “Foi importante perceber que eu não colocava a meu serviço todo o conhecimento adquirido. Aos poucos, fui me apropriando da transformação, dessa nova coerência. Logo que comecei essa jornada, declarei que não queria fazer uma coisa só. Hoje, vivo com alguns chapéus que me fazem desenvolver o meu propósito de vida”.

Aos 41 anos, essa forma de viver ainda é nova para Ana, mas está claro que é preciso pôr a alma no trabalho: ”Não sou só inteligente, tenho um corpo lindo e uma alma generosa. Meu sonho é ser a pessoa que as pessoas buscam para abrir o coração. Quero inspirar os outros, aprender com eles, pois a minha escola é o amor.”

Profile picture for user Silvia Maiolino
Silvia Maiolino
Acredito no poder transformador e de conexão da Comunicação. Jornalista, com mais de 25 anos de experiência em Comunicação Corporativa, dirijo a Quasar Comunicações. Busco oferecer soluções digitais, impressas e de relacionamento, atendendo às demandas dos clientes de forma customizada, Serviços: Mídias Digitais, sites, publicações impressas, Relações com a Imprensa, eventos e treinamento.